quarta-feira, 28 de maio de 2008

A realidade é uma ilusão?





Somos resultantes daquilo que somos, uma complexidade de variáveis, códigos, signos, símbolos e ícones, gerando assim o que chamamos de linguagem e através dela criamos as relações baseadas em percepções, valores e visões de mundo. Mas será que tudo isto é real? Basta analisarmos tudo atentamente em nossa volta e veremos aquilo que nem sempre é o que queremos ver; como temos a necessidade de enxergar além da realidade, precisamos então dos simulacros para a nossa sobrevivência social, podemos citar uma série de simulações sociais inerente ao indivíduo como família, amigos, trabalho, sentimentos, relações conjugais etc. É importante ressaltar que necessitamos do outro para sobreviver, porém numa transição de relações usamos o outro como o nosso espelho para apenas refletir o que somos ou o que queremos ser, as mudanças são intensas e precisamos neste universo de valores e conexões interagir cada vez mais, justamente por isto algumas relações ruem dissipando-se com o tempo, pois a efemeridade nos trás tudo isto com uma força inegavelmente amplificada.

Fazemos tudo isto de uma forma inconsciente?
Será que estamos dormindo para realidade e somente vivendo dos simulacros?
Quando passamos pela cortina de fumaça da nossa imaginação, descobrimos o deserto do real, o mais interessante é que só sabemos verdadeiramente quem somos quando passamos pelo o estágio de depressão e angustia, pois mergulhamos no universo da nossa realidade e precisamos de pílulas pra dormir e voltarmos a sonhar, vocês devem está achando tudo isto uma loucura, mas a sua realidade pode ser uma mera ilusão, uma trilha sonora, um flash back de sonhos, algo inimaginável, uma transcendência que só existe no mundo das idéias.

Qual o propósito de tudo isto?
Qual o propósito de você está aqui lendo este texto nesse devido momento?
São várias perguntas que se movem através do propósito de cada indivíduo, muitas pessoas si questionam de onde elas veio, pra onde vai e quais os motivos das suas existências, quando chegamos nesta fase de sublimação do sentido de nossas vidas e passamos a entender alguns detalhes do mundo que nos cerca, percebemos a diferença entre realidade e simulacros e as mutações criadas a partir disto.

Um comentário:

José Augusto Sampaio disse...

muito bom o texto..a realidade é individual e se nexo, por isso que no funo somos todos loucos e sós.